Skip to content

Montevideo, parte 4

07/04/2010

É gente, deixei para a última parte do Diário de Viagem o tema Moda, isto porque não teve nada de sensacional! Rs As chicas montevideanas são como nós… Não lhe parece familiar a foto acima? A mesma cena, no mesmo ângulo não poderia ser tirada em qualquer rua das bandas de cá? Elas usam ankle boots, jeggings, t-shirts podrinhas e podronas, cardigans etc. Ou seja, tive uma decepçãozinha ao perceber que não ia trazer nenhuma referência sensacional pro Brasil. Os preços das roupas, calçados e acessórios também são muitíssimo parecidos com os daqui, nada de achados! Ou seja, decepçãozinha parte 2. rs

Neste caso, “se não tem tu-vai tu mesmo”, fui fazer um passeio agradável pela Zara! Descobri uma loja muitíssimo mais organizada, com peças mais legais ainda. Os preços eram os mesmos, mas o estilo tinha um quê diferente, sabe? Conclusão, comprei uma T-shirt compridinha e dois casacos compridos de malha. Aliás, isso sim eu posso dizer: é uma febre por lá os casaquinhos de malha ou lãzinha que cobrem o quadril e tem um bolsão de cada lado. A peça é muito legal, mas pra quem tem muitas curvas pode dar um volume, uma aumentada negativa, daí não é aconselhável.

De acessórios, eu fui seca pra comprar chapéus! Pensei que por causa da temperatura mais baixa, os uruguaios usassem mais. Bom, já sabem rs, decepçãozinha parte 3! Daí, acabei arrematando duas tiaras pretas fofas: uma com lacinho e outra com pedrinhas. Nada infantilizado não, tá! Rs Pra fechar, comprei um lenço azul-petróleo demais! Lembra daquele post que eu fiz sobre os lenços da Renner e disse que o mais legal era o que tinha bolinhas no acabamento? (clique aqui pra ler) Comprei lá e paguei mais barato do que este daqui! Eu não fiz as fotos dessas aquisições ainda porque eu tô com um sério problema de câmera fotográfica. Quero parar de fotografar com a cam tosca do meu celular e subir o nível da resolução das imagens por aqui. Entonces, logo faço o update decente pra vocês!

E aqui eu encerro o Diário de Viagem. Com muita coisa boa pra contar, fiquei feliz em compartilhar com vocês. Espero que tenha sido pelo menos útil! Até a próxima trip!

Anúncios

Montevideo, parte 3

06/04/2010

Vou deixar o post sobre moda por último rs. Esse aqui é uma questão de sobrevivência em Montevideo. São dicas pra se virar mesmo por lá. Vou começar a ordem das dicas pensando em quem ainda está dentro do aeroporto. Espere pra comprar o que você quiser em freeshop no embarque de volta pro Brasil. O Duty Free de Montevideo > Brasil é o melhor de todos! Lá você encontra de tudo – chocolates e bebidas a roupas e eletrônicos. Grande e organizado, o Duty Free de lá traz uma parte especial de artigos de couro feito a mão, alfajor e vinhos uruguaios. Bom pra comprar a lembrancinha de volta.

Bom, chegando ao Uruguai e saindo do aeroporto, a opção pra chegar ao seu hotel é basicamente táxi. Tem ônibus de linha regular, mas se você não conhece é melhor não arriscar. Ou então tem van fretada por US$ 150 (dólares), mas se você não estiver em grupo não compensa. Daí o que resta é o táxi especial (carro bege) do Aeroporto de Carrasco. Caríssimo. Eles trabalhão com preços tabelados, então você vai sair de lá sabendo o valor. Pagamos $ 890 (pesos), o equivalente a R$ 89! O aeroporto de lá é como o Guarulhos, afastado de São Paulo, então sai mais caro. Acontece que esse táxi especial trabalha com uma tarifa ainda mais cara! Só pra você ter noção, a corrida do táxi normal (carro preto e amarelo) de volta pro aeroporto custou $ 480 (R$ 48) na bandeira 2 (noturno, domingos e feriados). É o dobro o táxi especial, mas eles não te deixam opção. Aliás, lá a cobrança da corrida é tabelada em qualquer lugar. Em vez de o taxímetro marcar o valor ele contabiliza fichas. Daí o número de fichas corresponde a um valor definido e tabelado. A parte ruim é que os táxis são precários e velhos.

A dica de hotel que deixo aqui é o Ibis Montevideo. Rede padrão e segura. Os atendentes se esforçavam em falar português, são muito simpáticos, atenciosos e esclarecedores. A diária custa US$ 65 (dólares). O mais legal é que o Ibis fica de frente pra Rambla Argentina. Então, você olha da janela do seu quarto e vê o Rio de La Plata. Muito agradável!

A última dica de serviço que eu deixo é a gorjeta, ou propina. Quando você pede la cuienta no restaurante, não tem essa história dos 10%. Então, você dá a gorjeta que quiser e achar que o garçom fez por merecer. No Uruguai, todos são muito educados nesse momento. Você fecha a conta, faz o pagamento, o garçom agradece e vai embora. Daí você tem privacidade pra separar a gorjeta e chamá-lo novamente. Eles agradecem muito felizes sem nem olhar o valor. Achei de uma distinção isso! Educados, muy educados!

Update: sobre o câmbio, se possível, não troque o dinheiro no aeroporto, eles cobram uma taxa absurda e a cotação é baixa. A média de lá era R$ 9,80 pra cada peso. Leve reais e troque lá mesmo. Se trocar real por dólar aqui e de dólar pra peso lá não compensa a diferença de cotação. Eles aceitam reais muito bem. Você encontra casas de câmbio por toda a Av. 18 de Julio e no Shopping Punta Carretas.

Montevideo, parte 2

06/04/2010

Quando o assunto é comida uruguaia logo lembramos dos churrascões e dos cortes suculentos de carne. Pois é a mais pura verdade. Pra quem é bom de garfo e gosta de carne, lá em Montevideo se come muito bem! Existem cortes diferentes daqui, mas o principal e melhor em minha opinião é o Lomo, seria o nosso filet mignon beeem mais gostoso. Você tem duas opções, ou pedir a Parrilla completa (um combinado de carnes do churrasco) ou pedir somente o corte que você quer. Daí o acompanhamento da carne é batata frita, purê de batata ou purê de maçã. É mais difícil encontrar arroz entre as guarnições e os vegetais também não são consumidos na mesma quantidade que no Brasil. Você encontra, mas não em todo lugar.

Minhas recomendações vão para os seguintes restaurantes: El Palenque no Mercado Del Puerto, El Fogón no Shopping Punta Carretas, Don Peperone na Ciudad Vieja e o El Diez em Pocitos. Comi muito Lomo e Picaña que estou com saudade já dos tijolos de carne! Rs Em relação à bebida, tive a deliciosa experiência de beber cervejas uruguaias (Patrícia, Norteña e Pilsen) pagando bem menos. Só pra você ter ideia, uma que eu pago aqui por R$ 14 a garrafa de 1 litro, lá custava R$ 4. Sério, uma sensação muito boa! Rs Mas os uruguaios bebem mesmo vinho nos restaurantes. Era mais eu e o namorado que ficávamos na cerveja. Outra coisa que vale a pena experimentar é o Medio y Medio, bebida típica de lá, uma espécie de vinho espumante. Delícia! O couvert, ou cubierto, costuma ser sempre cubinhos de manteiga Conaprole com minipães e canudinhos.

No El Palenque, lomo com batata frita e braseiro de vegetais. Pra beber, Stella Artois de litro!

No El Diez, Medio y Medio pra brindar, beber e relaxar!

No Don Peperone, lomo em tiras salteado com pimentão e cebola no molho de soja com gergelim. Pra beber, Patrícia de litro!

Nham! Só pude escrever esse post depois do almoço, senão eu ia morrer de fome! rs

#Montevideo, parte 1

06/04/2010

Antes de tudo, como é bom viajar! Renovar os ares, ver pessoas culturalmente diferentes e se divertir com cada detalhe! Já tenho saudade, ai ai. rs Vou dividir este Diário de Viagem em partes pra deixar como dica para os futuros viajantes rumo à Montevideo, Uruguai. Pra começar, vou contar como é a cidade e seus pontos turísticos!  Montevideo é uma cidade romântica, perfeita pra se ir a dois: cheia de restaurantes com meia luz, cenários bonitos, ruas tranquilas, segurança pra passear de mãos dadas…

Montevideo é um ótimo exemplo de paisagismo urbano. Muitas praças, parques, canteiros… todos, absolutamente todos, bem cuidados. As gramas sempre aparadas, muitas palmeiras e árvores altas, flores, flores, flores! Fora a quantidade de parquinhos e campos de futebol que existem espalhados por essas praças. Lá tem uma lixeira a cada 100 metros e o lixo está dentro dela, assim como deveria ser. rs A cidade, por ser pequena pra quem está acostumado com São Paulo, tem um ar agradável de interior.

A Avenida 18 de Julio é a mais extensa da cidade. Pra entender o significado dela em termos de importância é só comparar com a Avenida Paulista, em São Paulo.

A Plaza Independência é a principal praça de Montevideo, onde desemboca a Av. 18 de Julio. Seria o equivalente à Praça da Sé de São Paulo, só que bem melhorada. Ampla, com chafarizes, um imponente monumento no centro, bancos frequentados por famílias inteiras, jardins bem cuidados e no entorno ficam os prédios do governo e o Teatro Solís (como o nosso Teatro Municipal).

Ciudad Vieja é um bairro incrível. Seria o mesmo que a região do centro/Augusta de São Paulo. Badalada cultural e gastronomicamente. Você vai andando pelas travessas e encontra uma feirinha de artesanato aqui, outra ali. A via principal é somente para pedestres, as travessas são de trânsito de carros.


Mercado Del Puerto é uma espécie de Mercado Municipal de SP, só que em vez do foco ser na variedade da venda de produtos é na variedade de restaurantes especializados na deliciosa e tradicional Parrilla, o churrasco uruguaio. O Mercado, como o nome sugere, fica ao lado do porto e do quartel do Exército. Fizemos uma parada pro almoço (às 16h! rs) no El Palenque, principal restô dali. O Mercado também tem duas fontes de água próximas.

As ramblas são como os calçadões do Rio de Janeiro, a diferença é que a orla não é marítima. Montevideo é banhada pelo Rio de la Plata. Então, pensa, uma cidade com clima de praia só que sem aquele cheio de maresia ou o calor do mormaço. Perfeito! Era uma delícia andar por ali. As pessoas pescam, andam de bicicleta e patins e os namorados tomam mate (o chimarrão dos gaúchos). Famílias inteiras! Só que venta muito, muito mesmo. rs

Playa Ramirez é uma das praias de Montevideo. Sim, isso mesmo, praia com areia, cadeirinha e tudo o mais. A única diferença é que a água é doce! Achei a organização da área muito boa, sabe. Super sinalizada, cheia de lixeiras e muito agradável. Uma coisa curiosa que eu reparei é que os montevideanos sentam de costas para a água, portanto, de frente para a rambla/rua. A outra praia, maior, é a Playa de los Pocitos. Lá ficam as barraquinhas e o Iate Club.

O Parque Rodó, em homenagem ao ensaísta José Enrique Rodó, é como se fosse o Parque do Ibirapuera em São Paulo. O maior da cidade, muito agradável, com lagos, chafarizes, mesas de xadrez, bancos e até um ponto de pedalinhos! No centro do parque tem uma grande escultura com versos de Rodó, muito bonito! “Un gran amor es El alma misma de quien ama”. Tudo por lá é bem cuidado e sinalizado. Existem placas explicando a fauna de lá. Logo ao lado fica o Parque de Diversão de Montevideo, que funciona apenas no fim da tarde/noite.


Punta Carretas e Pocitos são os bairros equivalentes aos Jardins/Vila Madalena de São Paulo. Mais ajeitadinhos e com badalação noturna. Ali fica o Punta Carretas Shopping, Golfe Clube e vários bares e restaurantes. Uma coisa que me chamou atenção eram as placas com dizeres conscientes, como essa daí “Protejamos La vida humana” bem na faixa de pedestres.

Feira Tristan Narvaja é uma mistura de feira livre com feira de antiguidades e artesanato. Você encontra de tudo, tudo, tudo nela. De frutas, verduras, livros e brinquedos até cuias pro mate, pássaros, cachorros, roupas e artigos falsificados. É meio bagunçada, ocupa umas três quadras do bairro. Vale conferir por ser tradicional, acontece aos domingos.

É isso aí, sei que o post ficou compridão, mas se eu não mostrasse todos os principais pontos turísticos ia ser uma injustiça com Montevideo! rs Nos próximos eu conto específico sobre gastronomia e moda. Quando revejo essas fotos me pergunto quando voltarei lá! =)

Hasta luego!

01/04/2010